Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/08/21 às 16h02 - Atualizado em 9/08/21 às 16h02

Saúde na terceira idade

Dança, exercício e integração social reduzem distúrbios do sono, doenças psicológicas e frequência de consultas médicas

 

Há pacientes, denominados de hiperfrequentadores, que utilizam com muita frequência a Atenção Primária à Saúde (APS), ocasionando grande número de prescrições e de referências para outros níveis de cuidado.

 

Considerando esse indicativo, a pesquisadora da Universidade Católica de Brasília (UCB) Lucy de Oliveira Gomes buscou apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) para realizar o estudo “Idosos hiperfrequentadores na Atenção Primária à Saúde, influência das Terapias Expressivas na frequência às consultas e nos distúrbios do sono”.

 

O projeto de pesquisa estudo propôs verificar a eficácia das terapias expressivas (TE) em idosos hiperfrequentadores (IH), com ou sem motivo concreto), do Centro de Atenção Primária da Saúde (APS) na diminuição da frequência às consultas e nos distúrbios do sono. O estudo foi realizado no Centro de Atenção Primária à Saúde da Granja do Torto, Distrito Federal com pessoas idosas (acima de 60 anos) no período de janeiro de 2018 a janeiro de 2020.

 

As terapias expressivas funcionam como instrumento terapêutico complementar e utilizam atividades em grupo envolvendo música e atividade física (dança/movimento), como estratégia de cuidado com a doença, a saúde e a vida. “Atividades realizadas com música para idosos proporcionam resgate de vivências do passado e do presente, levando-os a participarem efetivamente do grupo social”, explica Lucy Gomes.

Os pesquisadores também aplicaram atividades de rodas de embalo e comunhão, encontros afetivos, além de metodologias como ninho da espécie, abraços fraternais, caminhar de confiança e caminhar com motivação afetiva.

 

Os idosos foram divididos em dois grupos: grupo de intervenção, composto por idosos hiperfrenquentadores com cinco ou mais consultas médicas registradas no período de 12 meses; e grupo controle, formado por idosos não hiperfrequentadores que registraram quatro ou menos consultas médicas no mesmo período de referência.

 

“Nosso objetivo foi verificar a prevalência de transtornos do sono nos grupos hiperfrequentadores e não hiperfrequentadores, comparar a eficácia das TE nos transtornos do sono dos idosos de ambos os grupos, além de delinear o perfil clínico (doenças físicas, mentais e transtornos do sono) e sociodemográfico dos idosos”, afirma a coordenadora do projeto.

 

Para a coleta dessas informações, a pesquisadora aplicou questionários sociodemográficos, clínico-funcional e de depressão, ansiedade, solidão, estresse e atividade física. Os participantes também foram submetidos a sessões de terapias expressivas (TE), duas vezes por semana, com duração média de 2h totalizando 24 semanas no período de seis meses.

 

Resultados e aplicabilidade

 

Após análise de todos os dados levantados e do comportamento dos idosos após as práticas aplicadas, a cientista identificou que as terapias expressivas são eficazes para reduzir os transtornos de sono e a frequência da marcação de consultas sem necessidade real.

 

“Houve redução significativa do número de consultas médicas na atenção primária à saúde, durante o período de um ano após o término das sessões de TE. Os idosos HF entraram em contato com suas emoções, convivendo com seus limites e, ao conhecer suas potencialidades e habilidades, puderam acreditar em si mesmos. Provavelmente, foram o cultivo de boas relações grupais, a aceitação e a inclusão que surtiram efeitos positivos, levando à atenuação significativa da depressão, ansiedade, estresse e solidão”, aponta Lucy Gomes.

 

Assim, a pesquisa indica que a oferta de um cuidado em saúde completo aos pacientes da terceira idade é capaz não apenas de elevar a qualidade de vida e reduzir a incidência de problemas psicológicos nessa população, como também de reduzir os custos do Sistema Único de Saúde (SUS) no atendimento a idosos.

 

Para tanto, a pesquisadora aponta a necessidade de capacitação dos profissionais para a realização dessa atenção em saúde de forma holística, buscando práticas mais humanizadas. “É imprescindível implantação de grupos de promoção de saúde em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS), visando um envelhecimento saudável com um cuidado holístico”, finaliza.

 

A pesquisa foi fomentada pela FAPDF  “Chamada FAPDF/MS-DECIT/CNPQ/SESDF 01/2016 – Programa de Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde”, cujo objetivo foi apoiar a execução de projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação que promovam a formação e a melhoria da qualidade da atenção à saúde no Distrito Federal, no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Confira a apresentação final de resultados da pesquisa aqui.

 

Texto: Mikaella Paiva
Edição: Thainá Salviato

 

Fundação de Apoio a Pesquisa do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

FAPDF

Granja do Torto Lote 04, Parque Tecnológico Biotic Cep: 70.636-000